Notícias

Grandes vencedoras do cinema Latino Americano

Entrega do prêmio para Flecha Dourada - foto Tim Gerlach
Entrega do prêmio para Flecha Dourada - foto Tim Gerlach

 Foram 791 filmes inscritos, 46 selecionados, 58 exibidos, além de palestras, oficinas, 25 projetos e 10 players participantes do Encontro de Coprodução do Mercosul, 85 atividades no total e mais de 250 horas de programação no 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul - FAM 2018.

 Duas cineastas conquistaram os principais prêmios do FAM 2018. A paulista Nádia Mangolini, com o curta-metragem Torre, e a catarinense Cíntia Domit Bittar, com Flecha Dourada, ganharam, respectivamente, os prêmios de Melhor Filme do Júri Oficial nas mostras de Curtas Mercosul e Catarinense do 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul, encerrado neste domingo no Centro de Cultura e Eventos da UFSC com a apresentação do longa-metragem argentino Miss, dirigido por Robert Bonomo. O FAM 2018 distribuiu um total de R$ 142 mil aos filmes vencedores pelo júri oficial.

 Filme de animação que reconstrói o que aconteceu com os irmãos Vlademir, Virgilio, Gregório e Isabela, filhos do militante político Virgílio Gomes da Silva, preso em setembro de 1969 e morto sob tortura enquanto estava detido no DOI/Codi de São Paulo, Torre conquistou o prêmio do Júri Oficial e os troféus de Melhor Direção de Arte (para Pedro Franz e Rafael Coutinho) e Melhor Roteiro (para Gustavo Vinagre) do festival. Pelo filme, Nádia Mangolini receberá dos apoiadores do FAM 2018 locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da CiaRio, correção de cor da 02 Pós, delivers da Mistika, mixagem da Cinecolor e assinatura de um ano do pacote Adobe Creative Cloud, que representam o valor de R$ 23.500,00. O troféu do Júri Popular da Mostra Curtas Mercosul foi para O Malabarista, do goiano Iuri Moreno, e Antolina, do paraguaio Miguel Agüero ganhou a Menção Honrosa.

 Flecha Dourada, de Cíntia Domit Bittar, que resgata a trajetória dos lutadores de catch de Santa Catarina, recebeu o prêmio do Júri Oficial e o troféu de Melhor Montagem (para Cíntia). Pelo filme, a cineasta receberá além do troféu Panvision e do troféu institucional da Água Santa Rita, locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da CiaRio, mixagem da CineColor, correção de cor e DCP (Digital Cinema Package) da Link Digital, assinatura de um ano da Adobe Creative Cloud, preparação de elenco da Aktoro, serviços de finalização da InnSaei, que representam valor total de R$ 38.300,00. O filme também garante a participação no Festival Oberá em Cortos, na cidade de Oberá, Argentina, no mês de julho. O Júri Popular da Mostra Catarinense premiou o filme Severo, Severino, de Kátia Klock e Marco Martins, e a menção honrosa foi para Berro, de Paula Barbabela e Marina Simões.

 Outro destaque das mostras de Curtas foi Boca de Fogo, filme do diretor carioca Luciano Pérez Fernández, que ganhou os troféus de Melhor Direção, Melhor Documentário e Melhor Fotografia (para Anderson Capuano). O troféu de Melhor Ficção foi para Garoto VHS, do catarinense Carlos Daniel Reichel. Gustavo de Souza, o Gus, ganhou o troféu de Melhor Som pelo filme catarinense Domingos Bugreiro, e Dênio de Paula ganhou o troféu de Melhor Trilha Sonora Original pelo curta O Malabarista. Inês Maia foi escolhida a Melhor Atriz por sua participação no filme Casa Cheia, do pernambucano Carlos Nigro, e o então menino, hoje com 18 anos, Luiz Eduardo de Souza, ganhou o prêmio de Melhor Ator por sua atuação no filme moT, do norte-americano radicado em Florianópolis Andrew Kastenmeier.

 O ganhador do Prêmio do Júri Oficial da Mostra Doc-FAM foi La Manuela, de Clara Linhart, documentário que conta a história e o caso de amor da militante franco-brasileira Manuela Picq com o líder indígena equatoriano Carlos Pérez, até ela ser expulsa do Equador por ordem do então presidente Rafael Corrêa. Pelo filme, Clara receberá dos apoiadores locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da CiaRio, correção de cor da 02 Pós, delivers da Mistika, mixagem da Cinecolor, assinatura de um ano da Adobe Creative Cloud, serviços que representam valor total de R$ 38,700,00. O documentário Desarquivando Alice Gonzaga, de Betse de Paula, que conta uma parte preciosa da história do cinema brasileiro ao revelar os arquivos da Cinédia, fundada pelo pai de Alice, o cineasta Adhemar Gonzaga, ganhou a menção honrosa do festival e recebeu o Prêmio Recam - Reunião Especializada de Autoridades Cinematográficas e Audiovisuais do Mercosul com recursos de acessibilidade (cópia acessível a pessoas cegas e com baixa visão, com legenda para surdos e ensurdecidos e janela de libras). O troféu de Melhor Filme pelo Júri Popular foi O Rio de Benjamin Costallat, de Vicente Ferraz.

 Na Mostra Videoclipe, o vencedor do prêmio do Júri foi o vídeo Sólido, do rapper boliviano Sami 2R, dirigido por por Camilo Duarte, que receberá dos apoiadores um total de R$ 9.500,00 com locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da CiaRio, correção de cor da Link Digital, delivers da Mistika, mixagem da Cinecolor e assinatura de um ano da Adobe Creative Cloud. A menção honrosa da categoria foi concedida ao clipe Por Amor, da rapper argentina Lucrecia Aguirre, dirigido por Antonella Schiavoni e Daniela Miokovitch.

 E o vencedor da Mostra Infantojuvenil, segundo o Júri Oficial, foi o curta Médico de Monstro, do paulista Gustavo Teixeira, ficção que conta a história do menino Dudu, que sonha em ter uma profissão diferente da imaginada pelos amigos que querem ser astronauta ou jogador de futebol. Pelo filme, Gustavo receberá dos apoiadores do FAM locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria da CiaRio, correção de cor da 02 Pós, delivers da Mistika, mixagem da Cinecolor e assinatura de um ano da Adobe Creative Cloud, o valor total dos serviços é de R$ 22.500,00. O Prêmio Mercosul de Direitos Humanos, no valor de US$ 500,00, foi para Festa dos Encantados, de Masanori Ohashy, de Brasília. O prêmio do Júri Popular foi entregue ao filme Luiz, de Alexandre Extevanato, de São Paulo. Arraigo, da venezuelana Maria Laura Reina, recebeu a Menção Honrosa.

 O Rally Universitário foi vencido pela Equipe Vermelha, formado pelos estudantes Helena Creczynski (direção), Guilherme Lemos (fotografia), Bruno Rangel (som), Agostina Vesco (montagem), Gustav Jansen (produção) e pelo ator Gabriel Guaraciaba, com o filme Sociedade Etiquetada. A equipe vencedora recebeu o prêmio de R$ 9.500,00 em assessoria para os atores e um ano de uso do pacote Adobe Creative Cloud.

 O 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul tem o patrocínio do Funcultural, Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esportes, Governo do Estado de Santa Catarina, do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul - BRDE - , Fundo Setorial do Audiovisual - FSA -, Agência Nacional de Cinema - Ancine - , com apoio da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina e realização Associação Cultural Panvision, Muringa Produções Audiovisuais, Ministério da Cultura e Governo Federal.

FAM 2018 Premiação

Mostra Curtas Mercosul e Catarinense
Melhor Filme Curtas Mercosul (Júri Oficial) - Torre, de Nádia Mangolini (SP)
Melhor Filme Curtas Mercosul (Júri Popular) - O Malabarista, de Iuri Moreno (GO)
Menção Honrosa Curtas Mercosul) - Antolina, de Miguel Agüero (Paraguai)
Melhor Filme Curtas Catarinense (Júri Oficial) - Flecha Dourada, de Cíntia Domit Bittar
Melhor Filme Curtas Catarinense (Júri Popular) - Severo, Severino, de Kátia Klock e Marco Martins
Menção Honrosa Curtas Catarinense - Berro, de Paula Barbabela e Marina Simões
Melhor Direção - Luciano Pérez Fernández (RJ), por Boca de Fogo
Melhor Documentário - Boca de Fogo
Melhor Fotografia - Anderson Capuano, por Boca de Fogo
Melhor Ficção - Garoto VHS, de Carlos Daniel Reichel
Melhor Som - Gustavo de Souza, por Domingos Bugreiro
Melhor Trilha Sonora Original - Dênio de Pauilo, por O Malabarista
Melhor Atriz - Inês Maia, em Casa Cheia
Melhor Ator - Luiz Eduardo de Souza, em moT

Mostra Doc-FAM
Melhor Documentário (Júri Oficial) - La Manuela, de Clara Linhart (RJ)
Melhor Documentário (Júri Popular) - O Rio de Benjamin Costalatt, de Vicente Ferraz (RJ)
Prêmio Recam - Desarquivando Alice Gonzaga, de Betse de Paula (RJ)

Mostra Videoclipe
Melhor Videoclipe (Júri Oficial) - Sólido, de Camilo Duarte (Bolívia)
Menção Honrosa - Por Amor, de Antonella Schiavoni e Daniela Miokovitch (Argentina)

Mostra InfantoJuvenil
Melhor Filme (Júri Oficial) - Médico de Monstro, de Gustavo Teixeira (SP)
Melhor Filme (Júri Popular) - Luiz, de Alexandre Estrevanato (SP)
Menção Honrosa - Arraigo, de Maria laura Reina (Venezuela)
Prêmio Mercosul de Direitos Humanos - Festa dos Encantados, de Masanori Ohashy (DF)

Rally Universitário
Melhor Filme - Sociedade Etiquetada, da Equipe vermelha - Helena Creczynski (direção), Guilherme Lemos (fotografia), Bruno Rangel (som), Agostina Vesco (montagem), Gustav Jansen (produção) e Gabriel Guaraciaba (ator)

Apoio