Notícias

FAM 2018 abre com críticas à falta de financiamento à cultura

Antonio Celso Santos, diretor geral do FAM - foto Daniel Guilhamet
Antonio Celso Santos, diretor geral do FAM - foto Daniel Guilhamet

 A política e a crítica à falta de financiamento para a cinema e a arte deram o tom da cerimônia de abertura do 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul – FAM 2018, na noite desta terça-feira, no Centro de Cultura e Eventos da UFSC. Até domingo, dia 24, um total de 58 filmes de 10 países serão exibidos nas mostras Curtas Mercosul, Curtas Catarinense, Longas Mercosul, Doc-FAM, Videoclipe, Infantojuvenil, na Sessão Recam e no Rally Universitário.

 Em paralelo ao festival acontece o Fórum Audiovisual Mercosul, que inclui o Encontro de Produção, palestras, oficinas, mesas redondas, lançamentos de livros e a maratona de produção dos curtas do Rally Universitário com o tema “Soy latino-americano”, e cujos atores de cada equipe foram sorteados na cerimônia de abertura.

 Representante do reitor da UFSC, Ubaldo Balthasar, a professora Maria de Lourdes Borges, secretária de Cultura e Artes da universidade, destacou a parceria iniciada com o festival em 2009. “Para a universidade, é um grande prazer receber o FAM, e o nosso Centro de Cultura e Eventos já pode ser considerado a casa do festival. Ao mostrar o nosso cinema, o FAM cumpre o papel de educação do olhar e do gosto e se firma como um dos melhores festivais brasileiros”, disse.

 A professora também falou sobre o momento difícil que vive o Brasil, tanto para a democracia quanto para o financiamento da arte e da cultura. “Agradeço os resistentes, as pessoas que fazem o cinema e que lutam pela arte. Também são pessoas que lutam pela democracia. Faço um apelo que continuem nessa dupla luta, fazer cinema e arte é uma forma de resistência”, afirmou Maria de Lourdes, que ao final pediu a liberdade do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba, abrindo espaço para manifestação de boa parte do público com cartazes e faixas dizendo “#LulaLivre”.

 O diretor geral do FAM, Antonio Celso Santos agradeceu o apoio das pessoas que deixaram suas casas para assistirem à abertura do festival e aos realizadores, produtores, autoridades do cinema, do Brasil e exterior, que vieram participar do FAM 2018. “É óbvio que não há como como entender a situação grave que vive o Brasil hoje sem pensar no financiamento à cultura, que é um desastre. Mas a gente luta, resiste, não esmorece, porque é preciso preservar as conquistas que tivemos ao longo de todos esses anos”, disse Celso, agradecendo à equipe que ajuda a construir o FAM e aos amigos, novos e antigos, que prestigiam o cinema do Mercosul.

 O governador do Estado, Eduardo Pinho Moreira, foi representado na cerimônia pelo secretário de Comunicação de Santa Catarina, Gonzalo Pereira.

 O 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul tem o patrocínio do Funcultural, Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esportes, Governo do Estado de Santa Catarina, do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul - BRDE - , Fundo Setorial do Audiovisual - FSA -, Agência Nacional de Cinema - Ancine - , com apoio da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina e realização Associação Cultural Panvision, Muringa Produções Audiovisuais, Ministério da Cultura e Governo Federal.

Apoio