Notícias

Encontro aproxima produtoras do Mercosul interessadas em coprodução

Foto Marino Mondek
Foto Marino Mondek

O Encontro de Coprodução do Mercosul, parte da programação do Fórum Audiovisual Mercosul do 21º FAM, reúne até esta quarta 22 produtoras inscritas da Argentina, Chile, Paraguai e Brasil para uma formação e rodada de negócios a fim de estabelecer parcerias para coproduções. O evento é uma iniciativa do Santacine e do FAM, com apoio do Florianópolis Convention & Visitors Bureau, SP Cine e Bravi – Brasil Audiovisual Independente.

A programação inclui nesta quarta um encontro exclusivo das produtoras participantes com o diretor da Ancine, Roberto Lima, que fala sobre mecanismos de fomento, e ainda avaliação dos projetos e reuniões entre as produtoras que têm interesse em projetos em comum.

“Coprodução é uma excelente estratégia pra desenvolver novas produções, porque o projeto já nasce com uma perspectiva internacional, e isso abre portas para o cofinanciamento e a codistribuição, expandindo o potencial comercial. É uma forma da indústria audiovisual exportar e atuar no mercado global. Mesmo as produtoras de médio e pequeno porte podem participar”, observa Carlos Somaggio, diretor do Santacine, sindicato das produtoras catarinenses.

A coprodução permite acessar fundos de fomento dos países, como os mecanismos do INCAA na Argentina e o Fundo Setorial do Audiovisual, no Brasil, e estabelecer uma sociedade majoritária ou minoritária no produto final, sejam filmes, séries ou games. Com isso, aumenta a quantidade de obras latino-americanas e a presença de histórias e locações regionais. O vice-presidente do Santacine, Ralf Tambke, da Plural Filmes, lembrou que as produtoras catarinenses podem se apresentar como sócias em coproduções ou prestar serviços.

Para o presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Rodolfo Pinto da Luz, trazer produtores do Mercosul para realizar coproduções é uma forma eficaz de aumentar a produção e a internacionalização do que é produzido em Santa Catarina. “O estado tem diversidade cultural, polos tecnológicos, universidades e locações em várias regiões, além das empresas produtoras para estabelecer parcerias”, destacou. “O FAM tem sido um estimulador do audiovisual em Santa Catarina e no país há 21 anos, e realizar esse encontro no festival aqui é fundamental”, destacou.

O encontro apresentou o exemplo da série Relações Públicas, uma coprodução entre as produtoras argentinas Germina Films, Prisma Cine e Bonaparte Filmes, de Córdoba, e Story Lab, de Buenos Aires, e a catarinense Plural Filmes. A aproximação entre elas aconteceu no encontro Ventana Sur, em 2013 e foi firmada depois no Rio Content Market. O desenvolvimento do roteiro e outras etapas, como a seleção dos atores, ocorreu em conjunto e as filmagens iniciam em setembro, em Florianópolis e Córdoba.

“Não há muitos antecedentes de coprodução Argentina e Brasil, e ainda menos para TV. Nossa série foi criada para ser falada em duas línguas No início era um pouco estranho, mas o canal Box Brasil acreditou e ganhamos financiamento do Fundo Setorial do Audiovisual”, conta a produtora Andrea Paola Suárez, da Germina Films.

A produtora paraguaia Gabriela Sabaté, da Sabaté Filmes, que já produziu o curta Karai Norte, de Marcelo Martinessi, melhor curta 35 mm do FAM em 2010, trouxe para o encontro o projeto do filme Matar un Muerto, que se passa durante a ditadura paraguaia. “Nós já temos coprodução com Argentina, México, França e agora estamos conversando com produtoras brasileiras. É uma nova etapa do cinema paraguaio, com produções e coproduções sendo desenvolvidas, estamos unindo forças”, diz. O Paraguai não tem uma lei de cinema mas entrou este ano no Acordo Iberoamericano de Coproduções e pode acessar o Fundo Ibermedia.

O FAM 2017 tem o patrocínio Funcultural/ Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esportes, Governo do Estado de Santa Catarina, da Petrobras e do Governo Federal, com apoio da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina e realização da Associação Cultural Panvision.

 

 

Apoio