Notícias

Painel “Venha Filmar em SC” destaca ações para atrair produções audiovisuais

Encontro on-line reuniu nomes importantes no ECM+LAB do FAM 2021
Encontro on-line reuniu nomes importantes no ECM+LAB do FAM 2021

Ações e ferramentas para fortalecer a indústria cinematográfica e transformar Santa Catarina em um destino mundial para produções audiovisuais. O assunto foi destaque no painel “Venha Filmar em SC”, que reuniu nomes importantes como Aline Belli, do Santacine, Cesar Carvalho, da Plataforma SC Film Commission, Vini de Lucca, da Floripa Film Commission, Fábio Luis Farber, da Santur, e de Luiz Toledo, da SPCine. A conversa, realizada no ECM+LAB do FAM 2021, nesta segunda-feira (27), foi mediada pelo renomado produtori, João Roni, sócio da Ocean Films, com apresentação do diretor executivo do FAM, Tiago Santos.

Na abertura, João Roni falou sobre sua trajetória profissional, os grupos de trabalho, e ressaltou a maturidade do mercado audiovisual em Santa Catarina que, segundo ele, está no caminho certo para se inserir no contexto mundial. “Temos que trabalhar no conceito de rede, na composição de possibilidades e na criação da Film Commission de SC, para facilitar as filmagens nacionais e internacionais no estado”. João lembrou ainda que a cadeia audiovisual envolve mais de 60 setores e todos se beneficiam com isso.

O primeiro convidado a falar foi o produtor e fotógrafo Cesar Carvalho, responsável pela Plataforma SC Film Commission. A ferramenta desenvolvida através do Prêmio Catarinense de Cinema, já está em fase de teste e deverá reunir lista de profissionais, banco de imagens e espaços para locações, entre outros. “A plataforma tem objetivo de complementar os grupos de trabalho da Santur. Muito mais que atender a públicos de fora, queremos ajudar o mercado audiovisual local, mostrar que temos muita gente bacana e todas as nossas potencialidades cinematográficas em termos de cenários”.

Na sequência, Aline Belli, presidente do Santacine e criadora da série Boris e Rufus, afirmou que é preciso se organizar como indústria, conversar mais, aproximar setores e mostrar nosso poder de influência (soft power) para o mundo. “Temos muito que fazer, precisamos de pessoas que nos ajudem a levar nossa cultura para outros locais e a fazer um trabalho bonito”.

Como gestor público de Florianópolis, Vini de Lucca, superintendente de Turismo da Capital, defendeu o trabalho conjunto, com sensibilização da sociedade civil, dos municípios e demais poderes para transformar a região num grande pólo receptivo da produção cinematográfica. De acordo com o superintendente, a Floripa Film Commission, no âmbito da Secretaria de Turismo, em breve se tornará uma realidade e irá ajudar a transformar o setor. “A demanda por locações em Florianópolis aumentou muito com a pandemia e tivemos que dividir nosso trabalho com foco em quatro eixos: legislação, liberação de locações, promoção e estruturação para qualificação profissional. A Floripa Film Commission vai ajudar a desburocratizar e dar agilidade para todos esses processos”.
 

Representando a Santur, o gerente de promoção do Turismo, Fábio Luis Farber, falou sobre a estreita relação do mercado audiovisual e a indústria de turismo. “Sempre trabalhamos com grupos segmentados, como o turismo gastronômico, cervejeiro e ecoturismo, por exemplo. Então, porque não incluir o turismo cinematográfico, a exemplo do que fez a Espanha e o próprio Rio Grande do Sul que se beneficiaram muito desse mercado? Portanto, o Estado precisa estar junto nesse projeto da criação da Film Commission de Santa Catarina”.

Luiz Toledo, diretor de investimentos e parcerias estratégicas da SPCine, empresa público-privada, foi o convidado especial do painel. Ele apresentou resultados da Film Commission de São Paulo, considerada um case de sucesso. De acordo com Luiz Toledo, a Film Commission é uma organização que se dedica a atrair e incentivar a realização de produções. “Atua como um facilitador, além de unificar protocolos, dar segurança jurídica, clareza e ser a única porta de entrada para uma produção em São Paulo”.

Ele destacou ainda a importância dos estados adotarem políticas de incentivo que ajudem a ativação do ecossistema da atividade audiovisual. “Estamos num momento especial, pois lançamos o Cash Rebate, programa inédito para atração de produções com grande potencial de impacto internacional, consolidando a cidade de São Paulo como um polo global da produção cinematográfica”.

No encerramento do painel, João Roni reforçou que é o momento certo para o estado se estruturar e virar um polo internacional. “O momento é muito positivo para o mercado audiovisual catarinense, para implementação da Film Commission de SC. Temos natureza exuberante, diversas etnias, muitos talentos em construção, um conjunto de ações que vai culminar na realização deste sonho. E ele vai se realizar”.

O encontro on-line foi transmitido ao vivo pelo Canal do YouTube e Facebook do festival.

O 25º Florianópolis Audiovisual Mercosul tem o patrocínio do Sebrae e é uma realização da Associação Cultural Panvision e Muringa Produções Audiovisuais.

O ECM+LAB 2021 é uma realização da Associação Cultural Panvision e Muringa Produções Audiovisuais, com apoio LatAm Cinema, Brasil Audiovisual Independente - BRAVI, Brazilian Content, Projeto Paradiso, Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais - APRO, Santacine, Floripa Film Commission, e faz parte do FAM 2021.
 

 



Parceiros