Histórico

Em 1997, a Panvision deu vida ao Florianópolis Audiovisual Mercosul - FAM, festival que se consagrou como um dos acontecimentos audiovisuais mais importantes do Sul do Brasil e que agora celebra sua 23ª Edição. Em todos esses anos, o FAM conquistou o reconhecimento do público e da classe pelo trabalho de difusão cultural das diversas cinematografias do Brasil e dos países do Mercosul.

A história do FAM é uma história de sucesso, de ineditismo e de um constante aperfeiçoamento dos canais de comunicação entre público e profissionais do setor audiovisual no Brasil e nos países do Mercosul. Um dos pilares do FAM é o Fórum Audiovisual do Mercosul criado para discutir políticas para o desenvolvimento do setor nos países que constituem o bloco.

O objetivo de fomentar a formação de público, difundir obras inéditas e viabilizar o debate de temas da plataforma audiovisual tem sido plenamente atingido. Mais do que isso, a cada ano aumenta a procura do público e a participação de cineastas, diretores e produtores do mercado audiovisual que atuam no Brasil e nos países do Mercosul.

Conheça um pouco da nossa história:

FAM 2018 - 22 anos mantendo Florianópolis no mapa do Mercado Audiovisual
O FAM 2018 foi realizado entre os dias 19 e 24 de junho e as mulheres foram os grandes destaques do Festival que teve mais de 250 horas de programação.

Foram 791 filmes inscritos, 46 selecionados, 58 exibidos, além de palestras, oficinas, 25 projetos audiovisuais selecionados e 10 players participantes do Encontro de Coprodução do Mercosul, 85 atividades no total e mais de 250 horas de programação no 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul - FAM 2018.
Todos os filmes exibidos contaram com recursos de acessibilidade, através de Legendagem para Surdos e Ensurdecidos - LSE -, além da sessão RECAM que também contou com audiodescrição - AD - e Libras.
Os 46 filmes que fizeram parte das Mostras Competitivas - Curtas Mercosul, Curtas Catarinense, DOC-FAM, Infantojuvenil, Videoclipe e Rally Universitário concorreram a mais de 140 mil reais em prêmios dos apoiadores - O2 Pós, Mistika, Link Digital, InnSaei, Adobe, Cinecolor, Cia Rio, Aktoro e Água Santa Rita -, além do Prêmio do Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos do Mercosul - IPPDH e o Prêmio RECAM, uma cópia acessível com Legendagem para Surdos e Ensurdecidos e Audiodescrição.
O FAM 2018 destacou a forte representação feminina. Na Mostra DOC-FAM, de cinco filmes, três tinham mulheres como diretoras, e na Mostra Catarinense, dos dez filmes em competição, seis foram dirigidos por mulheres, ou seja, 60%. Duas cineastas conquistaram os principais prêmios do FAM 2018. A paulista Nádia Mangolini, com o curta-metragem Torre, e a catarinense Cíntia Domit Bittar, com Flecha Dourada, ganharam, respectivamente, os prêmios de Melhor Filme do Júri Oficial nas mostras de Curtas Mercosul e Catarinense do 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul.
A Mostra Convidada Longas Mercosul, exibiu os filmes “Açúcar”, do casal de cineastas pernambucanos Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira; “La Sargento Matacho”, do colombiano William González e com primeira exibição no Brasil durante o Festival; “Las Olas”, do uruguaio Adrián Biniez; “Para Ter Onde Ir”, da diretora paraense Jorane Castro; e os argentinos “Los Vagos”, de Gustavo Biazzi, e “Miss”, de Robert Bonomo.
O homenageado do FAM 2018 foi o projecionista José Luis de Almeida, o querido Zé Luis, que comandou o projetor do FAM por 19 anos.
O 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul teve o patrocínio do Funcultural, Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esportes, Governo do Estado de Santa Catarina, do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul - BRDE - , Fundo Setorial do Audiovisual - FSA -, Agência Nacional de Cinema - Ancine - , com apoio da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina e realização Associação Cultural Panvision, Muringa Produções Audiovisuais, Ministério da Cultura e Governo Federal.

 

FAM 2018 Premiação

Mostra Curtas Mercosul e Catarinense
Melhor Filme Curtas Mercosul (Júri Oficial) - Torre, de Nádia Mangolini (SP)
Melhor Filme Curtas Mercosul (Júri Popular) - O Malabarista, de Iuri Moreno (GO)
Menção Honrosa Curtas Mercosul) - Antolina, de Miguel Agüero (Paraguai)
Melhor Filme Curtas Catarinense (Júri Oficial) - Flecha Dourada, de Cíntia Domit Bittar
Melhor Filme Curtas Catarinense (Júri Popular) - Severo, Severino, de Kátia Klock e Marco Martins
Menção Honrosa Curtas Catarinense - Berro, de Paula Barbabela e Marina Simões
Melhor Direção - Luciano Pérez Fernández (RJ), por Boca de Fogo
Melhor Documentário - Boca de Fogo
Melhor Fotografia - Anderson Capuano, por Boca de Fogo
Melhor Ficção - Garoto VHS, de Carlos Daniel Reichel
Melhor Som - Gustavo de Souza, por Domingos Bugreiro
Melhor Trilha Sonora Original - Dênio de Pauilo, por O Malabarista
Melhor Atriz - Inês Maia, em Casa Cheia
Melhor Ator - Luiz Eduardo de Souza, em moT
Mostra Doc-FAM
Melhor Documentário (Júri Oficial) - La Manuela, de Clara Linhart (RJ)
Melhor Documentário (Júri Popular) - O Rio de Benjamin Costalatt, de Vicente Ferraz (RJ)
Prêmio Recam - Desarquivando Alice Gonzaga, de Betse de Paula (RJ)
Mostra Videoclipe
Melhor Videoclipe (Júri Oficial) - Sólido, de Camilo Duarte (Bolívia)
Menção Honrosa - Por Amor, de Antonella Schiavoni e Daniela Miokovitch (Argentina)
Mostra Infantouvenil
Melhor Filme (Júri Oficial) - Médico de Monstro, de Gustavo Teixeira (SP)
Melhor Filme (Júri Popular) - Luiz, de Alexandre Estrevanato (SP)
Menção Honrosa - Arraigo, de Maria laura Reina (Venezuela)
Prêmio Mercosul de Direitos Humanos - Festa dos Encantados, de Masanori Ohashy (DF)
Rally Universitário
Melhor Filme - Sociedade Etiquetada, da Equipe vermelha - Helena Creczynski (direção), Guilherme Lemos (fotografia), Bruno Rangel (som), Agostina Vesco (montagem), Gustav Jansen (produção) e Gabriel Guaraciaba (ator)
Encontro de Coprodução do Mercosul
Projeto Série para Televisão Zero & Uno – Aventuras con la Naturaleza, da produtora Biofotonica, de Misiones, na Argentina.

 

 

Apoio