Histórico

Em 1997, a Panvision deu vida ao FAM, festival que se consagrou como um dos acontecimentos audiovisuais mais importantes do Sul do Brasil e que agora celebra sua 20ª Edição. Em todos esses anos, o FAM conquistou o reconhecimento do público e da classe pelo trabalho de difusão cultural das diversas cinematografias do Brasil e dos países do Mercosul.

A história do FAM é uma história de sucesso, de ineditismo e de um constante aperfeiçoamento dos canais de comunicação entre público e profissionais do setor audiovisual no Brasil e nos países do Mercosul. Um dos pilares do FAM é o Fórum Audiovisual do Mercosul criado para discutir políticas para o desenvolvimento do setor nos países que constituem o bloco.

O objetivo de fomentar a formação de público, difundir obras inéditas e viabilizar o debate de temas da plataforma audiovisual tem sido plenamente atingido. Mais do que isso, a cada ano aumenta a procura do público e a participação de cineastas, diretores e produtores do mercado audiovisual que atuam no Brasil e nos países do Mercosul.

Conheça um pouco da nossa história:

 2012 - A 16ª edição do FAM aconteceu de 15 a 22 de junho de 2012, no Centro de Cultura e Eventos da UniversidadeFederal de Santa Catarina. Foram exibidos 70 filmes da Argentina, Brasil, Chile, Peru e Uruguai, alguns deles realizados em coproduções viabilizadas por acordos bilaterais dentro do Mercosul e com outros países.
Considerando a importância crescente desses acordos para a produção regional, foi lançado no espaço do Fórum Audiovisual Mercosul, durante o painel “Acordos bilaterais entre Brasil-Argentina e Brasil-Uruguai” o segundo Edital de Coprodução Brasil-Argentina (ANCINE-INCAA). No Fórum também foram debatidos a nova lei de cotas para produção nacional nas TVs por assinatura, Lei 12.485/2011, e os investimentos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

A luz de Tom, mais recente trabalho do diretor Nelson Pereira dos Santos foi o primeiro filme de longa-metragem a ser exibido na Mostra de Longas Mercosul do FAM2012, que foi encerrada com a exibição de dois longas: Bonsái, de Cristián Jiménez e o catarinense Pegadas salgadas, de Luciano Burin. Nas premiações destacaram-se Quando morremos a noite, ganhador do troféu Panvision para melhor filme e melhor ficção para o júri oficial da Mostra de Curtas Mercosul, L, melhor filme de acordo com o parecer popular também da Mostra de Curtas Mercosul, Fibra y Não, Senhor, melhores filmes da Mostra Catarinense segundo o júri oficial e popular, respectivamente.

Apoio