Histórico

Em 1997, a Panvision deu vida ao FAM, festival que se consagrou como um dos acontecimentos audiovisuais mais importantes do Sul do Brasil e que agora celebra sua 20ª Edição. Em todos esses anos, o FAM conquistou o reconhecimento do público e da classe pelo trabalho de difusão cultural das diversas cinematografias do Brasil e dos países do Mercosul.

A história do FAM é uma história de sucesso, de ineditismo e de um constante aperfeiçoamento dos canais de comunicação entre público e profissionais do setor audiovisual no Brasil e nos países do Mercosul. Um dos pilares do FAM é o Fórum Audiovisual do Mercosul criado para discutir políticas para o desenvolvimento do setor nos países que constituem o bloco.

O objetivo de fomentar a formação de público, difundir obras inéditas e viabilizar o debate de temas da plataforma audiovisual tem sido plenamente atingido. Mais do que isso, a cada ano aumenta a procura do público e a participação de cineastas, diretores e produtores do mercado audiovisual que atuam no Brasil e nos países do Mercosul.


Confira o nosso histórico ano a ano:

2015 - Em 2015, o Florianópolis Audiovisual Mercosul chegou à 19ª edição, realizada nos entre os dias 19 a 26 de junho, no Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina, na capital catarinense.
Composto por cinco mostras, quatro delas competitivas - Curtas Mercosul, Curtas Catarinense, DOC-FAM Infantojuvenil – e a Mostra Preferência de Público Itapema FM, exibiu 50 filmes, de 8 países, (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai e Uruguai) e diferentes estados brasileiros.
Foram 385 inscritos nas mostras competitivas. A boa surpresa foi que dos 39 filmes selecionados, 12 foram catarinenses, evidenciando o amadurecimento e aprimoramento técnico do audiovisual de Santa Catarina.
Fórum Audiovisual Mercosul teve uma agenda focada nos debates sobre Coproduções internacionais, Produção de séries de TV e webséries, Salas digitais, Recam e Coprodução no Mercosul. Pela primeira vez também foi realizado um diálogo sobre acessibilidade no cinema - audiodescrição e legendas para deficientes auditivos e ainda a oficina "Fazendo filmes na escola, o audiovisual na educação", voltada para professores de pedagogia.
O FAM 2015, homenageou dois profissionais que se destacam por suas contribuições ao cinema. Zelito Vianna que dirigiu mais de 50 filmes, produziu quase todos os filmes de Cacá Diegues, Eduardo Coutinho, Glauber Rocha e Walter Lima Junior. E Paulo Mendonça, diretor geral do Canal Brasil (com 14 milhões de assinantes), 12 filmes produzidos ou coproduzidos pelo canal, é também conhecido como roteirista (Prá Frente Brasil) e compositor e diretor de shows para o Secos & Molhados (música "Sangue Latino" em parceria com João Ricardo).
O palco do FAM sempre dedicou espaço histórico de expressão das produções de documentários engajados com os anseios da sociedade civil. E em 2015 não foi diferente, com filmes que destacaram temas como: plano diretor, espaços de manifestações da cultura de capoeira afrobrasileira, ditadura, mobilidade urbana, produção de alimentos para atender a demanda mundial, questionamento sobre os transgênicos e sobre o cultivo de micro roduções.
Em 2015, o FAM realizou o lançamento do filme “Das Profundezas“, do diretor catarinense falecido no mesmo ano, Penna Filho, prêmio do Edital de Cinema Catarinense.
O ano também foi marcado pela primeira exibição da Mostra Infantojuvenil no Hospital Infantil Joana de Gusmão para as crianças, jovens e familiares que estavam no hospital e também do lançamento da campanha de arrecadação de lápis de cor, massinha de modelar, giz de cera, livros infantis para serem doados ao Hospital. O FAM vai seguir com a campanha nos próximos três anos, com o desafio de colorir a criatividade e a imaginação das crianças e adolescentes do Hospital Infantil Joana de Gusmão.
Em 2015, uma nova parceria com o Festival “Oberá em Cortos” (Argentina), levou o vencedor da Mostra de Curtas Mercosul para ser exibido como filme convidado na mostra competitiva do festival. Também foi retomado o Prêmio Canal Brasil de Curtas. Além disso, manteve a parceria de cinco anos com o “Trieste Film Festival” (Itália) e com o Festival Fenavid (Bolívia).

O FAM 2015 teve o patrocínio do Governo do Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado do Turismo, Cultura e Esporte, Funcultural, Petrobras e Governo Federal - Pátria Educadora. Com o apoio da Fundação Franklin Cascaes, Secretaria Municipal de Cultura, Prefeitura Municipal de Florianópolis, Secretaria de Cultura da Universidade Federal de Santa Catarina e Centro de Ciências da Educação, com a realização da Associação Cultural Panvision.

 


2014 - O FAM 2014 foi realizado na Universidade Federal de Santa Catarina entre os dias 23 e 30 de maio. Durante oito dias, mais de 20 mil pessoas puderam conferir 78 filmes, incluindo estreias nacionais e produções premiadas. Foram sete mostras de longas e curtas-metragens, além de encontros das entidades audiovisuais da região. A mostra de Longas Mercosul, trouxe nove filmes dentre as grandes produções recentes do cinema da região. Dos 535 filmes inscritos, os 25 selecionadores escolheram 43 para participar da mostra competitiva, sendo nove produções estrangeiras. A Mostra de Curtas Mercosul teve o maior número de selecionados, 18 filmes, do Brasil, Argentina, Colômbia e Venezuela. O DOC-FAM, mostra dedicada aos documentários, teve sete produções, entre elas dois estrangeiros (Chile e Venezuela) e dois filmes convidados. A Mostra Catarinense e a Mostra Infantojuvenil, com nove filmes selecionados e um convidado em cada uma delas, completaram o quadro. Três mostras não-competitivas convidadas completaram a programação do festival. “Outros Olhares”destacou produções da Turquia. As outras duas mostras foram a da TAL (TV América Latina) e a de curtas da Argentina. O curta “Os Irmãos Mai”, da paulista Thais Fujinaga, conquistou os prêmios mais importantes dos Curtas Mercosul do FAM 2014.

 


2013 - Durante o 17º Florianópolis Audiovisual Mercosul (FAM), realizado na Universidade Federal de Santa Catarina entre os dias 14 e 21 de junho de 2013, mais de 20 mil pessoas puderam conferir 82 filmes, incluindo estreias nacionais e produções premiadas.
O FAM 2013 teve patrocínio da Lei de Incentivo à Cultura, FunCultural/Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte/Governo do Estado de Santa Catarina, Petrobras, Ministério da Cultura/Governo Federal, apoio da Universidade Federal de Santa Catarina e Fundação Franklin Cascaes/Prefeitura Municipal de Florianópolis, e realização da Associação Cultural Panvision.
A mostra mais tradicional do FAM, a Mostra de Longas Mercosul, trouxe nove filmes dentre as grandes produções recentes do cinema da região, sendo dois exibidos no encerramento. Cinco deles brasileiros: “Rendas no Ar”, de Sandra Alves, que fez sua estreia, “Nove Crônicas para um Coração aos Berros”, de Gustavo Galvão, “Cores”, dirigido por Francisco Garcia, “A Memória que me Contam”, de Lúcia Murat, coprodução com o Chile e a Argentina, e “A Casa Elétrica”, de Gustavo Fogaça, coprodução com a Argentina.

Outra coprodução, desta vez Chile-Argentina, foi o faroeste contemportâneo “Sal", de Diego Rougier; da Venezuela foram exibidos dois longas, “La Niña de Maracaibo”, de Miguel Curiel, e “Piedra, papel o tijera”, de Hernán Jabes. O Uruguai foi representado por “Tanta Água”, de Ana Guevara e Leticia Jorge. A Mostra de Curtas Mercosul exibiu 24 produções do Brasil, Uruguai e Argentina. No DOC-FAM foram sete filmes, entre eles o documentário convidado “A mulher de longe”, de Luiz Carlos Lacerda, e “Dossiê Jango”, de Paulo Roberto Fontenelle. A Mostra Catarinense teve oito filmes, realizados na maioria em Florianópolis, sendo várias estreias, e a Mostra Infantojuvenil exibiu 15 produções.
Duas mostras foram convidadas: a Outros Olhares, com oito curtas-metragens da Venezuela e a FESTin Ilha, composta de filmes do Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, realizado em Lisboa. Foram exibidos 16 curtas e um longa-metragem.

O FAM fez três homenagens: à Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas (ABD Nacional), por seus 40 anos de história; a Zita Carvalhosa, criadora do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo - Curta Kinoforum; e aos 10 anos do Sintracine - Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Cinematográfica e do Audiovisual de Santa Catarina.

O Fórum Audiovisual Mercosul foi composto de três painéis, com os temas mais emergentes do cenário audiovisual: “TV Pública na emergência das linguagens digitais”, “Coproduções - acordos bilaterais do bloco” e “A TV no âmbito da Lei 12.485/2011 e a demanda de produção de conteúdos regionais”, com a presença, entre outros, de Orlando Senna, presidente da Televisão América Latina (TAL) e Eva Piwowarski, do Programa Polos Audiovisuais da televisão digital aberta da Argentina.

Houve também encontro das principais entidades cinematográficas do Sul do país e oficinas gratuitas de computação gráfica, som no cinema, negócios transmídia e ambientes interativos, motion graphics e workflow da pós-produção.
Na categoria mais disputada das mostras competitivas – a Curtas Mercosul – o filme argentino “Lobo Está”, dirigido por Hugo Curletto e Marcos Altamirano, levou três prêmios pelo Júri Oficial: Melhor Filme, Melhor Ficção e Melhor Montagem. Outro argentino – “Quitral”, de Francisco J. Paparella – conquistou os prêmios de Melhor Direção e Melhor Roteiro. A coprodução de Uruguai e Alemanha “Monstruo”, dirigida por Carlos Morelli, ficou com os prêmios de Melhor Ator e Melhor Fotografia. Na votação popular, o catarinense “Desencanto”, de Marco Stroisch, foi o melhor filme.
Um mês antes do 17º FAM, o Pré-FAM levou a 14 cidades de Santa Catarina os filmes vencedores do festival do ano anterior. A ideia de descentralizar e democratizar o acesso às produções do cinema do Brasil e países vizinhos em todas as regiões do estado funcionou, tanto que a meta foi superada em mais de 50%. A expectativa era de quatro mil espectadores, mas esta marca chegou a 6.117 pessoas, de diferentes idades e escolaridades.
OS VENCEDORES DO FAM 2013
Mostra Infanto-Juvenil
Júri Popular – Melhor Filme: “Nuestra arma es nuestra lengua”, de Martina Sántolo
Júri Oficial – Melhor filme: “O Retrato da Lua”, Diego Lopes e Cláudio Bitencourt
Mostra DOC-FAM
Júri Popular – Melhor filme: “Dossiê Jango”, de Paulo Henrique Fontenelle
Júri Oficial – Melhor filme: “Dossiê Jango”, de Paulo Henrique Fontenelle
Mostra de Curtas Mercosul
Júri Popular – Melhor Filme: “Desencanto”, de Marco Stroisch
Júri Oficial
Melhor Ator: Roberto Jones e Roberto Suárez (“Monstruo”)
Melhor Atriz: Patrícia Selonk (“Menino Peixe”)
Melhor Direção de Arte: Natália Vaz (“A guerra dos Gibis”)
Melhor Trilha Sonora Original: Javier Venegas (“O homem dublado”)
Melhor Som: Janaína Patrocínio (“Debaixo d´água”)
Melhor Fotografia: Diego Varela (“Monstruo”)
Melhor Montagem: José Tabarelli (“Lobo está”)
Melhor Roteiro: Lautaro Giménez e Francisco J. Paparella (“Quitral”)
Melhor Direção: Francisco J. Paparella (“Quitral”)
Melhor Documentário: “Cancha - Antigamente era mais moderno”, de Luciano Mariz
Melhor Ficção: “Lobo está”, de Hugo Curletto e Marcos Altamirano
Melhor Filme: “Lobo está”, de Hugo Curletto e Marcos Altamirano
Mostra Catarinense
Júri Popular – Melhor Filme: “Ao velho Lobo do Mar”, de Eduardo Guerreiro
Júri Oficial – Melhor Filme: “Vento Sul”, de Renan Cabral Fontana
Prêmio CurtaDoc
“Sem Perder a Ternura”, de Marcia Paraíso e Ralf Tambke
“A Guerra dos Gibis”, de Thiago Mendonça e Rafael Terpins
 


 

 2012 - A 16ª edição do FAM aconteceu de 15 a 22 de junho de 2012, no Centro de Cultura e Eventos da UniversidadeFederal de Santa Catarina. Foram exibidos 70 filmes da Argentina, Brasil, Chile, Peru e Uruguai, alguns deles realizados em coproduções viabilizadas por acordos bilaterais dentro do Mercosul e com outros países.


Considerando a importância crescente desses acordos para a produção regional, foi lançado no espaço do Fórum Audiovisual Mercosul, durante o painel “Acordos bilaterais entre Brasil-Argentina e Brasil-Uruguai” o segundo Edital de Coprodução Brasil-Argentina (ANCINE-INCAA). No Fórum também foram debatidos a nova lei de cotas para produção nacional nas TVs por assinatura, Lei 12.485/2011, e os investimentos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).


A luz de Tom, mais recente trabalho do diretor Nelson Pereira dos Santos foi o primeiro filme de longa-metragem a ser exibido na Mostra de Longas Mercosul do FAM2012, que foi encerrada com a exibição de dois longas: Bonsái, de Cristián Jiménez e o catarinense Pegadas salgadas, de Luciano Burin. Nas premiações destacaram-se Quando morremos a noite, ganhador do troféu Panvision para melhor filme e melhor ficção para o júri oficial da Mostra de Curtas Mercosul, L, melhor filme de acordo com o parecer popular também da Mostra de Curtas Mercosul, Fibra y Não, Senhor, melhores filmes da Mostra Catarinense segundo o júri oficial e popular, respectivamente.
 



2011 -
 O 15º FAM, realizado no Centro de Cultura e Eventos da UFSC entre os dias 24 de junho a 1o. de julho, foi mais um marco na consolidação desse evento que foi o primeiro e já se tornou o principal foco de debates sobre a produção de cinema e audiovisual da América Latina.

O 15º FAM teve salas lotadas durante todo o evento e bateu recorde de público infanto-juvenil, apontando um futuro promissor em termos de formação de novos públicos.

Entre as inovações do evento em 2011, destaque para a participação do público nos debates do Fórum, fazendo perguntas via twitter e também a transmissão ao vivo via streaming dos curtas participantes.

Foram exibidos em 2011, durante o 15º FAM, 18 filmes, 15 curtas e três longas. Entre as produções destaque para O plantador de quiabos, do Coletivo Santa Madeira, melhor filme pelo júri oficial e popular da Mostra de Curtas Mercosul, Mais ou menos, de Alexander Siqueira, Melhor filme pelo júri oficial e popular da Mostra Catarinense, Procura-se, Melhor filme pelo júri oficial e popular da Mostra Infantojuvenil, Confesiones, de Gualberto Ferrari, Melhor filme pelo júri oficial da Mostra DOC-FAM e Carne, osso, de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros, Melhor filme pelo júri popular da Mostra DOC-FAM.

O Pré-FAM, criado em 2010, vem ampliando o número de cidades e de pessoas beneficiadas pelas exibições gratuitas de filmes longas e curtas que não chegariam a suas cidades por outros meios. A 16ª. edição do evento acontece entre os dias 15 e 22 de junho, no Centro de Cultura e Eventos da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), em Florianópolis.


 
2010 - A 14º edição do Florianópolis Audiovisual Mercosul foi realizada entre os dias 11 e 18 de junho de 2010, no Centro de Eventos da UFSC, na Ilha de Santa Catarina. Ao final de oito dias de exibição e de discussão sobre o cinema realizado no âmbito do Mercosul, o FAM 2010 entregou o prêmio de melhor curta-metragem 35 mm, pelo júri oficial, ao filme paraguaio Karai Norte, de Marcelo Martinessi. O prêmio de melhor vídeo ficou com o argentino Prodigio, de Marcelo Rostagno e Gabriela Trettel, e o de melhor filme infanto-juvenil com o brasileiro A Terra a Gastar, de Cassia Mary Itamoto e Celina Kurihara, de São Paulo. De acordo com o júri popular, o vencedor na mostra de curtas foi o pernambucano Recife Frio, de Kleber Mendonça Filho; na mostra de vídeos o ganhador foi o paulista Ao meu pai com carinho, de Fausto Noro; e na mostra infanto-juvenil o premiado foi Eu queria ser um monstro, do carioca Marcelo Marão. O curta catarinense Beijos de Arame Farpado, de Marco Martins, venceu os prêmios de melhor montagem e melhor direção de arte pelo júri oficial.

Em 2010, o Fórum teve três encontros e um seminário. No dias 11, 12 e 13 de junho, aconteceu o 1º Encontro de Film Comissions da América Latina. Também foi realizado no Fórum o encontro do Congresso Brasileiro de Cinema e o das Entidades do Sul. No Seminário de Cinema e Televisão do Mercosul foram discutidos temas de caráter político, econômico e cultural como a definição de estratégias de implantação da plataforma audiovisual brasileira e do Mercosul, formas de organização do setor audiovisual, formação de público para o cinema nacional, acesso da população à produção audiovisual, qualidade estética e comunicabilidade da obra audiovisual com o público, produção de baixo custo, novas tecnologias de produção e veiculação de conteúdo e políticas de distribuição e exibição.

Em 2010, foi criado o Pré-FAM, que se constitui como Circuito de exibição alternativo, com a proposta de itinerar por diversas cidades catarinenses levando os filmes premiados na edição anterior do FAM para públicos que normalmente não têm acesso às produções de cinema.



2009 -
A 13ª edição do FAM 2009 ultrapassou todos os patamares anteriores: mais de 200 filmes exibidos, 12 países e 13 estados brasileiros representados, o maior número de mostras especiais e um público total estimado em 30 mil pessoas. Realizado pela primeira vez na Universidade Federal de Santa Catarina, teve um auditório principal com 1,4 mil lugares, em torno de 400 a mais do que os disponíveis na edição de 2008. Apesar da capacidade ampliada, houve fila de espera na Mostra de Longas Mercosul, comprovando mais uma vez o sucesso de público. Em mais cinco auditórios foram exibidas mostras específicas dedicadas à cinematografia do Peru, França, Portugal, curtas latinos e cordobeses. Alguns títulos foram vistos em primeira mão, como Budapeste, de Walter Carvalho, duas semanas antes da entrada no circuito comercial, a cinebiografia Loki – Arnaldo Baptista, de Paulo Henrique Fontenelle, e a preestreia nacional de A Festa da Menina Morta, de Matheus Nachtergaele.Novamente foi lançada durante o festival a edição 2009 do Edital Prêmio Cinemateca Catarinense/Fundação Catarinense de Cultura, no valor de R$ 1,9 milhão. O Fórum Audiovisual Mercosul contou com a presença de autoridades públicas como o secretário do Audiovisual, Silvio Da-Rin, e de profissionais de todo os segmentos afins. Grande atenção foi dada às novas tecnologias e à convergência digital no Fórum e também no Extra-Fórum. Ao trazer esses temas em painéis, palestras e workshops, o FAM aproximou os profissionais do audiovisual de um vasto e pouco explorado campo de atuação no mercado. Realizadores tiveram a oportunidade entrar em contato com consultores especializados por meio de palestras e de uma inédita clínica de audiovisual, oferecida por consultores do Latin American Training Center (LATC) e pelo advogado especializado em audiovisual Fábio Cesnik. As possibilidades para profissionais do audiovisual com a utilização de novas mídias teve destaque, com palestras sobre o mercado de games e um workshop de vídeos pelo celular.



2008 - A 12ª edição do FAM exibiu 113 produções, e como ocorre há anos, as sessões ficaram lotadas no Centro Integrado de Cultura. O público se emocionou com homenagens prestadas ao diretor e produtor Roberto Farias, à atriz Julia Lemmertz, e aos catarinenses Gilberto Gerlach, diretor do cinema do CIC e do Cine York, e a Ieda Beck, produtora falecida poucos meses antes do festival. O FAM 2008 conseguiu trazer diretores, produtores e outros profissionais para conversar com a platéia todas as noites antes da mostra de longas. Dois filmes precisaram ter sessões extras para atender o público: o catarinense Doce de Côco, de Penna Filho, e Matar a Todos, do uruguaio Estebán Schroeder. A mostra do cinema finlandês aproximou os catarinenses da cinematografia do país do frio, em 10 sessões acompanhadas pela comitiva finlandesa. Pela segunda vez no festival, foi lançado o Prêmio Edital Cinemateca Catarinense, da Fundação Catarinense de Cultura, no valor de 1,9 milhão de reais. Coproduções entre países foram debatidas no Fórum Audiovisual Mercosul, com transmissão ao vivo pela internet, numa parceria com o Laboratório de Educação a Distância, da UFSC, que inovou também com a transmissão das solenidades de abertura e encerramento. E para incentivar ainda mais as produções, novas premiações foram entregues: Prêmio Aquisição Canal Brasil de Incentivo ao Curta-Metragem, Prêmio Influência Filmes e Focus Filmes para vídeos, Troféu Vivo Audiovisual para curtas 35 mm e premiações do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica de São Paulo (Sindicine) a curtas catarinenses.



2007 - "FAM lembra vários significados: FAM de admirador, FAM de família e FAM de fame (fome em latim), uma fome que, diferente da fome por comida, não sacia: a fome pela arte." As palavras do secretário do Audiovisual do MinC, Orlando Senna, homenageado da 11ª edição, sintetizam o alcance e o sentido do Florianópolis Audiovisual Mercosul. 21 mil admiradores do cinema latino-americano assistiram a 122 produções audiovisuais no sempre lotado teatro do CIC, menor a cada ano para conter a fome do público. Em exibição, a diversidade de temas, estéticas e gerações. Enquanto o cineasta homenageado Beto Brant abria a mostra de longas com um retrato intimista da crise existencial e particular do século 21 em Cão Sem Dono, Silvio Da-Rin exibia em sessão extra o relato de um ideal comum no auge da crise política no Brasil na década de 60 no documentário Hércules 56. Do lado de lá da fronteira, cores do interior da Argentina mostraram um cinema para além da Buenos Aires tão filmada, em sintonia com as propostas de regionalização das produções discutidas dentro do Fórum Audiovisual Mercosul, pela primeira vez transmitido em tempo real pela internet. Um dos compromissos no desenvolvimento local do setor veio na garantia, firmada pelo secretário estadual de cultura, de honrar os prêmios do edital para o cinema catarinense, que passa a ter lançamento anual em meio à programação da maior tela do Mercosul: o FAM.



2006 - A 10ª edição do FAM consolidou o formato Fórum & Festival, ocupando todos os espaços e horários - menos a madrugada e o horário do almoço. Uma das principais bandeiras do evento foi a discussão sobre a importância de descentralizar a produção audiovisual do país. A deputada Jandira Feghali participou da mesa trazendo ao Fórum do FAM as notícias mais atualizadas sobre a luta política pela regionalização. O Fórum também debateu TV Digital, valorização da diversidade cultural latino-americana (Seminário Unesco) e o imposto simples para o cinema brasileiro, entre outros temas. A Mostra Infanto-Juvenil se tornou competitiva, e a Extra-FAM ganhou destaque porque recebeu muitas inscrições, embora não seja competitiva. O grande vencedor da Mostra Curtas Mercosul foi Rapsódia para um homem comum, de Camilo Cavalcante. Entre os longas exibidos, Veias e Vinhos, de João Batista de Andrade, o argentino Ana y los otros, de Celina Murga, e Mi Mejor Enemigo, do chileno Alex Bowen. A Mostra de Vídeos Mercosul apresentou 62 filmes de 12 estados brasileiros, além de Argentina e Uruguai. As salas de exibição estiveram lotadas e o público participou também votando para escolher os melhores - Júri Popular.



2005 - O longa-metragem Cabra Cega, de Toni Venturi, abriu o 9º Florianópolis Audiovisual Mercosul com o auditório lotado. A mostra de longas daquele ano destacava-se pela predominância de temas políticos. Completamente incorporado ao circuito nacional de festivais brasileiros, o FAM 2005 atraiu um público recorde de mais de 10 mil pessoas. Esta soma representa muito para o evento, que há nove anos trabalha pela difusão cultural dos países do Mercosul e aliados e pela formação de público. O longa-metragem Araguaya - Conspiração do Silêncio, de Ronaldo Duque, precisou ser exibido em sessão extra, tamanha a fila que ficou de fora do Teatro do CIC. As sessões da Mostra Curtas Mercosul também atraíram um público grande, estando sempre lotadas. Um dos destaques da programação especial foi a mostra de filmes de Córdoba, importante pólo de produção argentino. O Fórum Audiovisual Mercosul debateu os desafios e aspectos fundamentais para a organização da economia do setor, entre vários outros temas. Foi criada nesta edição a Coalizão Brasileira pela Diversidade Cultural (CBDC).
 



2004 - O 8º Florianópolis Audiovisual Mercosul é o marco divisor do evento em termos de público. Pela primeira vez o evento foi realizado no Centro Integrado de Cultura, o CIC, com a sala de cinema montada no teatro de 900 lugares - o cinema dos anos anteriores tinha 300. Naquele ano foram homenageados os cineastas Glauber Rocha e Rogério Sganzerla. Também foi selado um acordo bilateral entre Brasil e Argentina para distribuição. Entre os curtas, os catarinenses L'Amar, de Sandra Alves, e O Santo Mágico, de Rolando dos Anjos. Na Mostra Longas Mercosul foram exibidos filmes nacionais, uruguaios, argentinos e chilenos. Paralelo às mostras aconteceu o encontro das escolas de cinema, que versou sobre o ensino do cinema no Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. O Fórum debateu alcances e limites da integração audiovisual do Mercosul e as conquistas do audiovisual brasileiro.



2003 - Mantendo o intuito de incentivar a união e difusão de países de cultura latina, a sétima edição trouxe a Mostra de Cinema Espanhol, com filmes cedidos pela Filmoteca da AECI - Agência Espanhola de Cooperação Internacional. As animações foram o destaque da programação infantil, com exibição de vários curtas e do longa O grilo feliz, de Walbercy Ribas. Mais uma vez a Mostra Curtas Mercosul foi uma das mais concorridas, com lotação esgotada em todas as sessões. O FAM 2003 também promoveu o 1º Encontro Parlamentar Mercosul Audiovisual, com a presença da classe, como Marcelo Laffitte e Augusto Sevá, debatendo com políticos do Estado. O evento defendeu um ordenamento jurídico para o setor, com ações políticas que viabilizem as produções nacionais, garantindo também telas de exibição. Ao final do encontro foi assinado um protocolo de intenções com oito reivindicações. O Fórum debateu a necessidade de uma aliança entre a TV e o Cinema com efeitos mais práticos e a regionalização do mercado com vistas ao mercado.



2002 - A sexta edição do FAM foi premiada com a mostra de filmes da Galícia. O auditório da justiça Federal, antigo cinema Cecontur, onde foi realizada a mostra, gratuita, foi pequeno para tanto público. Lotação esgotada todos os dias. Havia produções brasileiras, peruanas, argentinas, uruguaias, chilenas e bolivianas. Entre os nacionais a imprensa destacou a exibição do premiado filme Netto Perde sua Alma, primeiro longa-metragem dos diretores Tabajara Ruas e Beto Souza; e O Invasor, de Beto Brant. Pela primeira vez a Mostra Curtas Mercosul e a Mostra de Vídeos do Mercosul foram competitivas. Entre os catarinenses, foi exibido o curta-metragem Novembrada, de Eduardo Paredes.O encontro dos pólos cinematográficos reuniu representantes de nove estados (RS, SC, PR, SP, Rj, ES, CE, PE e PA). O Fórum Audiovisual Mercosul discutiu a abertura das fronteiras para o trânsito livre de filmes dos países do cone sul e a possibilidade de criação de uma Agência de Cinema do Mercosul. Entre as presenças ilustres: Roberto Farias, Daniel Herz e Fernando Solanas.



2001 - Nesta edição o FAM exaltou a importância do curta-metragem, tipo de filme que praticamente só encontra janelas de exibição em festivais e algumas poucas salas culturais. O coordenador do festival, Celso dos Santos, defendeu a volta dos curtas às salas de cinema. A única produção catarinense lançada na quinta edição do Florianópolis Audiovisual Mercosul foi Roda dos Expostos, um filme de Maria Emília Azevedo sobre o abandono humano. Portugal esteve presente com curtas e longas-metragens. O Fórum Audiovisual Mercosul promoveu diversos encontros, entre eles o da Film Comission, e outro sobre Audiovisual Sul. O diretor argentino Fernando Solanas falou sobre dificuldades de produção no Mercosul. Augusto Gangorra, da TVN do Chile, mostrou como os chilenos remodelaram a TV pública ligada ao governo militar que veio a priorizar coproduções e o cinema independente com um bom resultado de audiência.



2000 - A quarta edição do FAM consolidou o Festival como a principal ponte para a integração do setor audiovisual do continente. A maratona de exibições começou com a Mostra Internacional de Cinema Catalão. Pela primeira vez todos os filmes estrangeiros receberam legendas eletrônicas em português, uma prática cada vez mais difundida no Brasil. Naquela edição o Fórum de Políticas Audiovisuais contou com a participação do diretor de Windows Media da Microsoft, Marcelo Negrini, que veio explicar como um filme poderia ser transmitido via Internet, uma novidade à época. Também compareceram ao evento os cineastas brasileiros João Batista de Andrade, Tata Amaral, Eduardo Paredes, o representante do sindicato da indústria de cinema Argentina, Mário Lopez Barreiro, a produtora uruguaia Irene Gonçalvez, o diretor do Departamento de Audiovisual do Ministério da Educação do Chile, Ignácio Aliaga, entre muitos e muitos outros.



1999 - Na terceira edição o festival foi rebatizado e passou a se chamar Florianópolis Audiovisual Mercosul, nome que se tornou definitivo. A programação foi significativamente ampliada, somando 11 eventos paralelos que incluíam seis mostras de filmes. Entre elas a Mostra de Longas, que exibiu cinco produções, inclusive O Toque do Oboé, de Cláudio MacDowel, que havia sido tema de um debate sobre coproduções na edição anterior. Também foram realizadas, entre outras, a Mostra de Programas Televisivos do Mercosul e a 2ª Mostra Internacional de Curtas, com 17 filmes portugueses. O Fórum sugeriu a criação de núcleos de apoio para produções audiovisuais, as film comissions, e reuniu canais de televisão em torno de um projeto para o lançamento de um concurso Iberoamericano de documentários. Estiveram presentes José Álvaro Moisés, secretário para o Desenvolvimento do Audiovisual (Brasil), a ministra da cultura espanhola Isabel Allonso, o crítico de cinema João Garção Borges, Luis Rodrigues, do Instituto Nacional de Cinema e Artes Visuais argentino, entre vários outros nomes.



1998 - A segunda edição do seminário foi ampliada, abriu negociações com o mercado audiovisual europeu. Foram convidados representantes de órgãos oficiais dos países do Mercosul, Portugal, Espanha e França. Os produtores cinematográficos reivindicavam uma maior facilidade para as coproduções internacionais. Numa das mesas o produtor Cláudio MacDowel, de O Toque do Oboé, relatou sua saga para realizar a coprodução Brasil-Paraguai, gastando R$ 30 mil além do previsto com taxas alfandegárias e outras burocracias envolvendo o trânsito dos equipamentos e negativos entre os países. Dos presentes, destacam-se os cineastas brasileiros Guilherme de Almeida Prado, Tânia Lamarca e Silvio Back, a cineasta uruguaia Beatriz Flores, o argentino José Luiz Castiera de Dios, do parlamento cultural do Mercosul, entre outros. Paralelo ao seminário aconteceu a Mostra de Curtas Metragens do Mercosul, com a exibição de Desterro, de Eduardo Paredes e do documentário fotobiográfico Seu Chico, Terra e Alma, de Rafael Mamigonian, entre outros; e a Mostra de Cinema Andaluz, primeira versão da Mostra Internacional de curtas.
 


1997 - O FAM começou como seminário sobre cinema promovido com o apoio da Cinemateca Catarinenses, UFSC e Funcine. Era o I Seminário de Cinema e Televisão do Mercosul, criado para discutir legislação e distribuição dos produtos audiovisuais. Entre os temas propostos estava a democratização dos meios de comunicação e o início do processo de massificação do cinema brasileiro na televisão. O idealizador do evento, Antônio Celso dos Santos, tinha o objetivo de promover parcerias entre cineastas, videastas, produtores culturais e empresários de televisão do Mercosul. No final, os participantes redigiram uma carta que pedia isenção de impostos alfandegários para equipamentos. Entre os convidados estavam os cineastas Guilherme de Almeida Prado, Carlos Reichenbach, Luiz Carlos Barreto e personalidades ligadas à TV brasileira, como Cláudio Petráglia, Jorge Cunha Lima, um representante da Televisão Nacional do Chile, Augusto Góngora, Julio Raffo, da Câmara Argentina da Indústria Cinematográfica, Hugo Gamarra da Cinemateca do Paraguai e Luciano Alvarez, do Instituto de Cinematografia do Uruguai.
 

Apoio