Entrevistas

Os desafios de abordar a sexualidade feminina em Volcano

Nataly Callai
Nataly Callai

O filme Volcano, de Nataly Callai, que fala de uma mulher com um impulso sexual incontrolável, estreou ontem na Mostra Curtas Catarinense. Ousado, teve uma boa acolhida pelo público. Volcano foi um dos 19 filmes da programação deste ano do FAM a receber o selo Marias de Cinema, uma indicação para filmes que apresentam a mulher considerando aspectos da complexidade humana. A diretora conta na entrevista um pouco sobre o processo de produção e os desafios que enfrentou.

FAM - Como você se decidiu a realizar um filme que discute a sexualidade feminina dessa forma?
Nataly Callai -
Eu tinha medo dessa ideia, mas ela se impôs, e eu decidi encarar esse tema. Mas fiquei muito tempo sem filmar e pensava se conseguiria realizar desse jeito, eu achava uma ideia perigosa de filmar. O maior desafio foi esse, como filmar, a história poderia ir para vários lados, era uma ideia de curta desafiadora.

Me formei em cinema em 2009 e fiz um TCC, trabalhei com direção de arte, produzi, fiz uns vídeos menores, escrevo também, e quando surgiu a ideia do Volcano pensei em fazer cinema de novo e encarar esse desejo.

FAM – A preparação de atores foi um desafio também?
Nataly -
Tinha medo disso também, o filme quase não tem falas então. A Ana Luiza Fortes, atriz do filme, é produtora executiva comigo e minha amiga, já trabalhamos juntas no teatro, e com ela foi fácil a comunicação, ela leu o roteiro e entendeu, eu sabia que não ia precisar direcionar tanto. A gente tinha pouquíssimo tempo para gravar, trabalhei mais com ela, com os outros atores foram encontros muito breves. Eu não sou uma diretora que trabalha tanto o ator, sinto que faço boas escolhas, talvez, e essas pessoas conseguem ir sozinhas e entregam uma coisa bem legal, não só o que planejei mas o que elas trazem a partir do roteiro.

O 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul tem o patrocínio do Funcultural, Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esportes, Governo do Estado de Santa Catarina, do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul - BRDE - , Fundo Setorial do Audiovisual - FSA -, Agência Nacional de Cinema - Ancine - , com apoio da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina e realização Associação Cultural Panvision, Muringa Produções Audiovisuais, Ministério da Cultura e Governo Federal.

 

Apoio