Entrevistas

Direção de fotografia, paixão antes de profissão

Julio Ribeyro
Julio Ribeyro

O peruano-francês Julio Ribeyro, diretor de fotografia em mais de vinte longas-metragens, curtas e séries de TV, é o palestrante sobre fotografia no Rally Universitário, no dia 20, às 14 horas. Na entrevista, fala de experiência, curiosidade, criatividade, paixão pela profissão e a delicada relação com diretor e restante da equipe.

FAM - Relativamente poucas pessoas trabalham com direção de fotografia. Como se decidiu por essa carreira? Pode falar dos desafios para quem quer começar nessa área?
Julio Ribeyro -
Comecei com direção de fotografia sem saber realmente o que era essa profissão. Logo durante minha adolescência pratiquei fotografia. Por outro lado gostava muito de cinema. Descobri que havia uma profissão que combinava estas duas paixões e decidi estudar para ser diretor de fotografia na Inglaterra, na London International Film School, e nos Estados Unidos, no American Film Institute.

A direção de fotografia tem que ser paixão antes de ser uma profissão, sem isso, para mim, e muito difícil aceitar os sacrifícios que esta profissão requer. O mais difícil é começar e fazer suas primeiras imagens. É difícil confiar em um diretor de fotografia que nunca fez nada. Suas primeiras imagens serão de projetos modestos. Não tem importância o tamanho do projeto, e sim considerar cada oportunidade com um máximo de profissionalismo.

Em cada etapa se enfrentam as mesmas dificultades, as primeiras imagens, o primeiro spot de publicidade, o primeiro longa, etc. É importante experimentar pouco a pouco, criar uma boa teia de relações, sobretudo manter uma boa reputação como diretor de fotografia e num primeiro momento ser rápido em iluminar.

A juventude não é freio, ao contrário, a publicidade busca constantemente jovens diretores de fotografia. A profissão de diretor de fotografia é o trabalho de uma vida, sempre há algo a aprender.

FAM - Direção de fotografia é também criação, como se dá a relação com o diretor numa produção audiovisual?
Ribeyro -
A relação com o diretor é o mais importante num projeto para o diretor de fotografia. Essa relação depende muito da personalidade do diretor e do espaço que ele quer deixar para o diretor de fotografia. É primordial ganhar a confiança do diretor para ter uma melhor colaboração. É indispensável escutar e entender bem o que o diretor deseja, ainda que algumas vezes ele tenha dificuldade de verbalizar.

Não se esqueça que o diretor nem sempre tem os conhecimentos técnicos para descrever o que imaginou, especialmente se não tem experiência. Para isso se pode pedir ao diretor referências de películas, quadros, fotografias, tudo que permita entender melhor seus desejos. Também pode ajudar entender os gostos do diretor fora do cinema.

Alguns diretores gostam de decidir sozinhos sobre o enquadramento, outros com a colaboração do diretor de fotografia. Em certas oportunidades existe muita libertade, em outras muito menos, é preciso saber se adaptar e nunca perder a conexão com o diretor. É importante transmitir confiança para a equipe.

Num processo de trabaho é preciso conhecer o projeto, o roteiro, se é uma película, com muita precisão. É uma das poucas maneiras de poder discutir de igual para igual com o diretor. E sempre há algo para aprender. Pode soar como lugar comum mas realmente creio que é primordial não perder a curiosidade e a paixão.

FAM - Quais aspectos a sua oficina vai abordar concretamente?
Ribeyro -
Vou abordar a relação com o diretor, produtor e o restante da equipe. Quanto ao conhecimento técnico, falarei do material de luz, câmera e grip, regras básicas de luz, cor, qualidade, filmar no exterior ou interior, de noite ou de dia, formatos, lentes e também uma metodologia abordando desde a localização, produção até a pós-produção e um plano de carreira.

FAM - O que pensa do formato do Rally, em que equipes têm pouco tempo para realizar um curta?
Ribeyro -
No mundo profissional a gestão do tempo é uma das ferramentas mais importantes que os membros de uma equipe têm que dominar, isso mais ainda para o diretor e o diretor de fotografia. Este formato parece um exercício muito interessante porque requer utilizar o instinto mais do que o poder de reflexão.

Inscrições para a palestra no link:
https://www.sympla.com.br/direcao-de-fotografia--direccion-de-fotografia---rally-universitario-fam2018__294119

O 22º Florianópolis Audiovisual Mercosul tem o patrocínio do Funcultural, Fundação Catarinense de Cultura, Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esportes, Governo do Estado de Santa Catarina, do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul - BRDE -, Fundo Setorial do Audiovisual - FSA -, Agência Nacional de Cinema - Ancine - , com apoio da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina e realização Associação Cultural Panvision, Muringa Produções Audiovisuais, Ministério da Cultura e Governo Federal.


 

Apoio