Entrevistas

Lidia Damatto e Queralt Pons - MoreThan


Lídia, brasileira, e Queralt, espanhola, são parte do time feminino da agência MoreThan, fundada em Berlim por cinco mulheres, que atuam com estratégia de vendas, consultoria e representação para toda a cadeia do audiovisual e também com formação. O objetivo delas é internacionalizar os projetos, promovendo a diversidade e apoiando novas vozes.

FAM - Como de fato vocês atuam na internacionalização dos projetos? Podem destacar projetos que estão envolvidas atualmente?

Lídia e Queralt - A proposta da MORETHAN é ser uma empresa coletiva formada por um grupo de mulheres que juntas têm anos de experiência em diferentes áreas da indústria cinematográfica. Nos dividimos em grupos dentro da empresa para atender as necessidades específicas de cada projeto e de como podemos melhor trabalhar com os produtores e diretores, dentro das áreas de expertise de cada uma das sócias. Atuamos na internacionalização de projetos audiovisuais por meio de diferentes frentes de trabalho: estratégia de festivais, representação de projetos em mercados internacionais, estratégias de distribuição internacional e marketing. Aos poucos vamos também incorporar vendas internacionais aliadas ao modelo de representação internacional.

Atualmente estamos trabalhando um line up de curtas curado pela Queralt Pons, que trabalha há quase 10 anos com distribuição internacional de curtas-metragens. Os curtas são bastante diversos (do Panamá, do Brasil, da Espanha, da Grécia) e estrearam em grandes festivais como Berlim, Rotterdam e Toronto. Nós criamos a estratégia de festivais e também representamos internacionalmente estes filmes. Também recentemente terminamos um trabalho de alguns meses planejando a estratégia de festivais de “Homem Onça”, dirigido por Vinicius Reis, que acabou de ser lançado no Festival de Gramado. A Emma e a Magda, da nossa equipe, gostaram muito do filme e tomaram à frente inicialmente nesse projeto.

FAM - Quais são as principais carências ou necessidades de um melhor desenvolvimento nos projetos que vocês têm acompanhado no Lab e nos projetos latino-americanos em geral?

Os projetos chegam muitas vezes um pouco crus para o mercado internacional ou sem estratégia internacional alguma. É muito importante ter um bom book do projeto que inclua não só as informações básicas como uma sinopse e proposta de realização bem escritas, mas também um plano de financiamento sólido e viável. Também não há uma preocupação em se definir a audiência do projeto desde a sua concepção. Todo filme e toda série são feitos para um público específico, e entender isso desde o início pode inclusive afetar o financiamento da produção.

FAM - E quais são as virtudes dos projetos e como vocês colaboram no aprimoramento?

Os projetos são bastante criativos e as pessoas por trás deles determinadas e apaixonadas pelo que fazem. Nós temos colaborado dando feedback em relação aos books e aos pitchings, orientando sobre planos de financiamento, e muitas vezes apontando para certos fundos internacionais específicos, e também ajudando a pensar no público e em estratégias de engajamento de audiências.

FAM - Quais são suas expectativas para as rodadas de negócios como players no ECM?

Esperamos fazer boas conexões. Os projetos muitas vezes demoram bastante tempo para serem realizados e nessas reuniões iniciais o que geralmente fica são essas conexões profissionais. Estamos mais interessadas em longas-metragens de ficção e em narrativas locais novas e com potencial global. Temos como missão promover novos talentos e narrativas diversas. Por sermos uma empresa formada por cinco mulheres, naturalmente tendemos a trabalhar com projetos desenvolvidos por mulheres ou pessoas da comunidade LGBTQ+.

O 25º Florianópolis Audiovisual Mercosul tem o patrocínio do Sebrae e é uma realização da Associação Cultural Panvision e Muringa Produções Audiovisuais.

O ECM+LAB 2021 é uma realização da Associação Cultural Panvision e Muringa Produções Audiovisuais, com apoio LatAm Cinema, Brasil Audiovisual Independente - BRAVI, Brazilian Content, Projeto Paradiso, Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais - APRO, Santacine, Floripa Film Commission, e faz parte do 25º FAM.
 



Parceiros